O comércio ilegal da vida selvagem está a deixar as espécies à beira da extinção e, ao mesmo tempo, apresentando maior risco ambiental, econômico, de desenvolvimento e segurança. Mas isso não é inevitável. Países do mundo inteiro, as Nações Unidas, muitas outras organizações nacionais e internacionais, empresas, governos e líderes de opinião estão todos trabalhando juntos para conscientizar, promulgar e aplicar leis mais fortes e intensificar o apoio aos esforços das comunidades locais para impedir o comércio ilegal de vida selvagem. 

O que é o comércio ilegal?

O comércio internacional de espécies em perigo e ameaçadas é regulado pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITES), que se esforça para garantir que o comércio internacional de animais e plantas selvagens seja legal, sustentável e rastreável e não seja prejudicial à sobrevivência da espécie em estado selvagem.

Além disso, o comércio ilegal de vida selvagem não se limita à espécies ameaçadas de extinção. A venda de madeira, lenha e carvão vegetal decorrentes de desmatamento ou comércio ilegal de peixes capturados em áreas restritas ou usando métodos ilegais, por exemplo, também estão incluídos no termo comércio ilegal de vida selvagem. Também é importante notar que o comércio ilegal de vida selvagem também ocorre internamente, e muitos países têm legislação própria.
Infelizmente, o enorme comércio ilegal de vida selvagem ignora as leis existentes e tem aumentado. Isso significa que quando os indivíduos adquirem produtos animais ou vegetais obtidos com a morte ou colheita ilegal de espécies, eles são cúmplices da perpetuação o crime contra a vida selvagem, quer estejam cientes disso ou não.

Por que tantas espécies estão a ser ameaçadas?

O mundo está a lidar com uma ameaça à vida selvagem sem precedentes. A perda do habitat, como resultado da agricultura, da mineração e de novos desenvolvimentos diminuiu drasticamente o espaço natural disponível para os animais. A perda de espaço, as mudanças climáticas e uma insaciável demanda por produtos da vida selvagem, em alguns casos, com origem no crime organizado transnacional, tem conspirado para provocar um impacto dramático sobre os mares, as savanas, as florestas e as planícies por todo o mundo. 

Os efeitos são catastróficos, com 100.000 elefantes mortos apenas entre 2010 e 2012 e até 3 rinocerontes caçados ilegalmente todos os dias durante o mesmo período. Estão agora a ser anunciadas extinções anuais a nível local e hoje em dia acredita-se que os pangolins são os mamíferos mais traficados ilegalmente no mundo. Isto coloca uma grande responsabilidade de proteção sobre os países onde estas espécies ocorrem naturalmente, sobrecarregando os já escassos recursos.

Por que a vida selvagem tem uma procura tão elevada?

Há uma herança cultural profunda e história em torno de produtos da vida selvagem como, por exemplo, o marfim do elefante e o chifre de rinoceronte em algumas partes do mundo. Durante séculos, esses itens foram utilizados em certos locais como ícones religiosos, medicamentos e para exprimir a criatividade por meio de entalhes. Na história mais recente, têm sido utilizados para itens práticos, como bolas de bilhar, selos de nome, teclas de piano, peças de instrumentos e decoração de armas de fogo.

Atualmente, a vida selvagem e os seus produtos são utilizados como afirmações de moda, símbolos de estatuto, animais de estimação, iguarias luxuosas, como presentes e por colecionadores e investidores como mercadorias, especulando que o preço subirá. 
O comércio ilegal não está apenas a ameaçar a sobrevivência das espécies, mas também está a prejudicar o desenvolvimento e a subsistência das comunidades locais. Por exemplo, o comércio ilegal de árvores raras como o pau-rosa não apenas priva a paisagem de uma linda floresta, mas também prejudica a oportunidade de emprego no comércio legítimo, contribui para a corrupção e nega aos governos a possibilidade de criar receitas a partir de vendas legais.

À medida que a nossa população humana continua a crescer, com mais e mais pessoas a desejar este tipo de produtos, temos a responsabilidade de estar mais bem informados e fazer escolhas inteligentes que não ameacem a sobrevivência das espécies e dos seus habitats ou comprometa o desenvolvimento sustentável.

O que podemos fazer?

Este comércio desenvolve-se a partir da ignorância, da indiferença e quando não se faz caso das leis que o regem. Mas quanto mais soubermos, mais poderemos ver como as nossas decisões têm um grande impacto sobre a vida selvagem, sobre os indivíduos e o planeta. A boa notícia é que podemos realmente acabar com o comércio ilegal de vida selvagem:

  • Ao estarmos mais bem informados sobre o estado da vida selvagem e dos seus produtos
  • Apoiando os governos e comunidades locais no combate ao comércio ilegal da vida selvagem
  • Divulgando e incentivando outros a informarem-se melhor
  • Denunciando crimes quando forem testemunhados através da tecnologia móvel e de linhas diretas nacionais
  • Reduzindo o conflito pela terra e recursos entre os seres humanos e a vida selvagem a nível comunitário
  • Fazendo escolhas individuais que não ameacem as espécies, como não comprar produtos de vida selvagem protegida pela lei e apoiando empresas que demonstrem redes de fornecimento sustentáveis e políticas ambientalmente responsáveis.

Esta campanha faz parte de um plano ambicioso que está a ser impulsionado pela ONU, que reconhece o crime contra a vida selvagem como um crime grave e uma ameaça ao nosso desenvolvimento sustentável partilhado. A nova agenda para 2030 da ONU define os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) que têm um foco explícito sobre como proteger a integridade dos nossos ecossistemas, tendo como alvo os crimes ambientais, que ocorrem tanto em terra como no mar. O que eles dizem:

-    ODS14: “Conservar e utilizar sustentavelmente os oceanos, os mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável”. Este objetivo exige o fim da pesca ilegal e não denunciada e de práticas de pesca destrutivas.

-  ODS15: ”Proteger, restaurar e promover a utilização sustentável de ecossistemas terrestres, gerir sustentavelmente as florestas, combater a desertificação, interromper e reverter a degradação da terra, assim como interromper a perda da biodiversidade.”

Uma das metas dos ODS 15 é: ”Adotar medidas urgentes para acabar com a caça ilegal e o tráfico de espécies protegidas da fauna e da flora e resolver tanto a procura quanto a oferta de produtos ilegais da vida selvagem”.
Você pode fazer parte do sucesso destas metas e objetivos ODS.

A batalha para impedir o comércio ilegal da vida selvagem será difícil. Mas é uma batalha que podemos vencer.

Veja o que a ONU e outras empresas estão a fazer: Logótipos com link para o texto individual de cada agência.

  • Os governos empenharam-se em compromissos ousados para enfrentar esta crise com metas de ação estabelecidas nos ODSs
  • Desempenhar um papel de articulação entre os países, ajudando os governos no desenvolvimento das suas estratégias de combate ao crime contra a vida selvagem;
  • Trabalhar para apoiar as preservações comunitárias e as áreas protegidas nacionais, construindo a capacidade de cumprimento da lei nos países
  • Lidar com as agências nacionais na linha de frente, envolvidas na abordagem à caça e ao comércio ilegal da vida selvagem, como, por exemplo, a alfândega, polícia, guardas-florestais e vida selvagem.

Usemos a nossa própria esfera de influência para ensinar, partilhar e motivar mais ações

Veja o que a ONU e outras empresas estão a fazer

Sócios fundadores

“Comprometo-me a continuar a fazer tudo o que posso para apoiar os Membros do CITES a fazer o melhor uso possível desta extraordinária Convenção e a implementar os requisitos do CITES de maneira plena e eficaz. Ao fazê-lo, continuarei a trabalhar com uma ampla variedade de magníficos parceiros.” — John E. Scanlon, Secretário-Geral do CITES
CITES
“A vida selvagem sempre me inspirou e quero que a minha missão seja deixar um legado de um planeta saudável, com uma rica biodiversidade, para as gerações futuras. Também imagino um mundo onde as comunidades que convivem com esta vida selvagem possam prosperar e florescer, beneficiando da vida em harmonia com a natureza”. — Helen Clark, Gestora da UNDP
PNUD
“Comprometo-me a incentivar os principais líderes a acabar com o comércio ilegal da vida selvagem e ajudar a reforçar a ligação entre eles para que protejam as maravilhas naturais que temos em comum.” — Achim Steiner, Diretor Executivo da UNEP
PNUMA

Outros

Connect4Climate is committed to support UNEP’s mission, contributing to addressing the Illegal Trade in Wildlife. In particular, Connect4Climate will use its sphere of influence to support international cooperation and further strengthen political will to address illegal wildlife trade at the national level with a focus on how climate change can exacerbate the problem through affecting the traditional livelihoods of many.
Connect 4 Climate
“Enquanto secretário executivo da Convenção sobre Espécies Migratórias (CMS), comprometo-me pelo presente a trabalhar com os governos e todas as partes interessadas a acabar com o tráfico predatório e o comércio ilegal de tartarugas marinhas em todo o mundo. A minha primeira medida será juntar a minha voz à campanha das Nações Unidas #WildforLife para ajudar a sensibilizar a opinião pública para o assunto como um passo importante para enfrentar a procura.” — Dr. Bradnee Chambers, secretário executivo da Convenção sobre a Conservação das Espécies Migratórias da Fauna Selvagem (CMS)
CMS
UNICEF commits to Wild for Life because the wellbeing of the planet hinges on the positive engagement of young people to reject, not participate in, illegal trade. We commit to encouraging young people to raise awareness and take action for all people to end harm to wildlife and the environment
unicef
The current crisis in illegal trade in wildlife is a reflection of how much more we all need to do to save our wildlife and our forests. The World Bank will continue to work with countries and partners to combat wildlife crime by providing financial and technical assistance for conservation and development projects. Being a member of the International Consortium to Combat Wildlife Crime (ICCWC) we are also strengthening governments in their law enforcement and anti-money laundering efforts. As a lead agency of the Global Wildlife Program, we are providing technical support and opportunities to exchange proven solutions among 19 countries in Asia and Africa”. –Claudia Sobrevila, Global Wildlife Program Manager
World Bank
“I pledge to support efforts to bring to an end the illegal wildlife trade that is eroding the global commons and robbing the livelihoods of local communities.” —Naoko Ishii, CEO
Global Environment Facility